Prozac ao pequeno almoço, Xanax ao jantar…

Tenho muito respeito e carinho pelos professores e professoras. Há gente fantástica que apesar das dificuldades que enfrentam todos os dias, tentam fazer tudo para dar uma oportunidade à nova geração de futuros trabalhadores, líderes, artistas, astronautas, etc.

Mas muitos são os profs que são exaustos, ou em baixo e que precisam de uma tónica para levantar os ânimos e ganhar de novo alguma esperança e energia. Cá vai umas dicas.

  1. Não focar no negativo. Não estou a dizer negar o negativo, nem ignorar o negativo, estou a dizer é não focar nele. Quando focamos somente num aspeto da vida, tendemos não considerar e apreciar o resto. Filtramos o que é bom, e concentramos naquilo que nos faz sentir pior. Convencemos o nosso cérebro de que as coisas estão péssimas, e sentimo-nos péssimos! Este tipo de pensamento é uma distorção cognitiva — tira uns momentos para considerar a forma que estás a pensar. Consegues separar aquilo que é a verdadeira situação daquilo que é a tua interpretação dela? Consegues pensar de forma não tão polarizada (bom vs mal, péssimo vs ótimo…).
  2. Quando foi a última vez que leste um romance? A leitura é uma forma de reduzir o stress. “Quem me dera ter tempo para ler!”, dizes … mas o facto é que tens tempo, mas não o fazes, porque não o vês como prioridade para o bem-estar. Um estudo da Universidade de Sussex concluiu que a leitura por prazer pode reduzir o stress até 68%. Não podes prioritizar uma atividade capaz de reduir o nível de stress de forma tão eficaz?
  3. Escrever reduz stress também. Há uma pratica simples que muitos de nós ignoramos. Em inglês chama-se “journalling” — é a prática de escrever uns pensamentos de reflexão diária, ou semanal, ou com a frequência que queiras. Basta sentar no café 5 ou 10 minutos, refletir dos teus pensamentos, sobre as leituras que estás a fazer, sobre gratidão por aquilo que tens, ou até partilhar contigo próprio os sentimentos menos bons de forma mais articulada. Há umas semanas estive a falar sobre a leitura e a escrita para professores numa conferência para professores de inglês em Lisboa. Antes da minha sessão eu tinha um tempinho livre, então sentei-me durante 10 minutinhos e foquei os pensamentos e escrevi umas linhas. Também podes tentar algo de escrita criativa — poesia, narrativas, memórias … ver um programa na TV como “Conta-me como foi” e escrever os teus pensamentos daqueles tempos … ou os tempos da tua infância — recordações, pessoas esquecidas, etc. Não falta ideias!
  4. Ouvir música. ! é preciso explicar?
  5. Dormir 20 minutos. É provado que uma “power nap” de 20 minutos é o suficiente para recarregar as baterias e ajudar o cérebro a pensar melhor. Isto é uma prática que uso frequentemente. Até já fui sentar-me no carro, colocar sons relaxantes no telemóvel com um alarme para 21 minutos. Maravilhoso! O que ganho depois em energia e foco vale o investimento de 20 minutos sem fazer nenhum!
  6. Famíla. Gastar tempo em família. Fazer uma noite de jogos de tabuleiro. Se estiver sozinha/o, convidar uns amigos e jogam algo novo ou antigo (Catan, Cartas, Scrabble, Trivial, Pictionary …) — relaxa, rir, recompor-te!
  7. Brené Brown. Brené é uma investigadora / professora da Universidade de Houston, Texas. Não posso enfatizar o suficiente o quanto ouvir, e/ou ler Brené Brown pode ajudar o teu bem-estar.
  • Brené Brown NETFLIX — legendado em Português.
  • Brené Brown NETFLIX — o programa no Netflix tem legendas em Português.

Sim — é necessário o investimento de algum tempo. Mas o ganho é tão significativo.

É preciso Resgatar partes da tua vida que pensaste eternamente “roubadas” pela tua profissão.

Estas 7 dicas, e podiamos acrescentar inúmeras mais, involvem algum mindfulness porque são feitas com intencionalidade. Sem intencionalidade, passam-se anos e parece que nada mudou, tudo está igual ou pior. Não importa a fase da tua vida — podes começar. E não te esqueças de apontar como te faz sentir melhor 😉

Bem-estar para professores · 7 dicas para aliviar o stress.